HomeGeralSaúde & Bem EstarCirculação do vírus da febre amarela preocupa litoral paulista

Circulação do vírus da febre amarela preocupa litoral paulista

Se aproxima o período mais quente do ano, quando acontecem as férias escolares e festa de final de ano. A época é também a de maior risco de contrair a febre amarela.

Com uma cobertura vacinal abaixo da meta dos 95%, o Estado de São Paulo está intensificando as campanhas de prevenção afim de evitar a explosão de casos e mortes da febre amarela, especialmente no litoral.

A preocupação do Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE) da Secretaria de Estado da Saúde, a preocupação da pasta e dos municípios é com a grande quantidade de pessoas que deve visitar áreas de risco e que precisa estar imunizada ao menos dez dias antes de chegar a regiões.

“São locais que têm Mata Atlântica densa, ecoturismo forte e que as pessoas procuram no período de férias. O risco da febre amarela não está dentro de casa, como acontece com o Aedes aegypti está na área de mata para que não foi vacinado”, relata Regiane de Paula, diretora da CVE.

 

Leia também: JundiaíShopping realiza primeiro sorteio da campanha de Natal

 

A doença é transmitida por mosquitos silvestres e, neste ano, 502 pessoas contraíram o vírus no Estado (casos autóctones), das quais 175 morreram. No Litoral Norte, já foram contabilizados 14 casos com cinco mortes nos municípios de São Sebastião e Ubatuba. Já na Baixada Santista, foram quatro casos com três óbitos em Itanhaém, Peruíbe e Guarujá.

Em alguns desses municípios, a meta de vacinação já foi superada, caso de Caraguatatuba (99%) e Ubatuba (97%).




Comentários
})(jQuery)