HomeArticulistasQuando perder o medo é o de menos

Quando perder o medo é o de menos

Olá, pessoa! Neste artigo vou ser bastante cirúrgico na hora de abordar um tema muito comum, usado como estratégia de marketing para cursos de Oratória: o medo de falar em público.

Sem dúvida, um belo mote, afinal,  uma pesquisa encomendada pelo Sunday Times apontou que 41% dos entrevistados apresentou este tipo de medo. Se você acha pouco, saiba que apenas 19% deles disse ter medo da morte.

Mas, para não cairmos no lugar comum, vamos falar do medo como mola propulsora na hora de se fazer apresentações. Acredite ou não, é ele que vai fazer você medir o teor das suas palavras.

E aqui, vou colocar uma crítica nestes inúmeros cursos de falso empowerment que prometem colocar o participante em ponto de bala pra falar o que quiser.

Pois bem. É aí que mora o perigo!

Perder o medo de falar em público pode fazer com que você seja empoderado do lado errado, ou seja: pode te dar uma coragem espetacular para falar besteira.

Muitas vezes, o medo, aquele friozinho que sentimos na barriga ao nos apresentar para plateias grandes ou pequenas, é uma centelha para que fiquemos atentos ao que vamos dizer.

O segredo desta equação não é simplesmente perder o medo: é achar o conteúdo correto para dizer. De nada adianta ser O corajoso se, na hora de expor sua ideia, ela não tem qualidade.

 

Leia também: Demissões por acordo após nova lei trabalhista passam de 112 mil

 

Usar esta centelha para manter o norte na comunicação é de fundamental importância, principalmente numa época em que todos querem falar, mesmo que seja mera bobagem.

Com relação a isso, certa vez o jogador Romário soltou a seguinte frase contra um desafeto seu, o Pelé: “calado ele é um poeta.”

Então, antes de buscar perder o medo, preste atenção se o que tem a dizer vai transformar alguém de forma positiva. Caso contrário, você tem duas opções: ou melhora seu conteúdo ou se mantém calado. É isso.




Comentários
})(jQuery)