HomeGeralDe novo, a história de um trem entre Campinas e Jundiaí

De novo, a história de um trem entre Campinas e Jundiaí

Na terça passada (4) estava marcada uma demonstração em Campinas – um trem da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) faria uma viagem até Jundiaí. Dois vagões motrizes foram levados para lá, e secretários de governo fariam a tal viagem. Podia parecer um sonho – mas tudo leva a crer que é só mais uma promessa.

Em 1978, quanto foi inaugurada da Rodovia dos Bandeirantes (na época chamada Via Norte), reforçou-se a promessa que entre suas pistas, no chamado canteiro central, haveria um trem expresso ligando Campinas, Jundiaí e a Capital. Promessa solene, feita nas presenças do então presidente Ernesto Geisel e do então governador Paulo Egydio Martins. Se bem que o autor da promessa tenha sido Paulo Maluf, que fora secretário de Transportes até 1975.

Até janeiro de 1995 os trens da Fepasa, sucessora da Companhia Paulista, corriam para o interior levando passageiros. E assim que deixou o serviço, surgiram inúmeras promessas (normalmente em ano de eleição) de que haveria a retomada dos trens de passageiros. Como nada acontecia, os vagões e locomotivas foram aos poucos sendo abandonadas no pátio da Fepasa.

Aconteceu o previsto – tudo foi saqueado. Inclusive a fiação elétrica necessária às locomotivas movidas a eletricidade. Com as privatizações, o trecho passou ao Governo Federal (mais precisamente ao Dnit – Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), e os trilhos foram concedidos à MRS, dedicada a transportar carga.

Para colocar um trem em operação nesse trecho vai ser preciso muito dinheiro. O projeto é mais ambicioso – o trecho seria de Americana à Capital, passando por Campinas e Jundiaí. Há necessidade de se refazer toda a fiação elétrica (a MRS usa máquinas a diesel), uma vez que a CPTM só usa vagões motrizes movidos a eletricidade.

 

Leia também: Governo testa trem de passageiros ligando Campinas a Jundiaí

 

Há também necessidade de concordância do Dnit, uma vez que a CPTM está, em tese, invadindo uma área que não lhe pertence. E há necessidade de implantar estrutura para o funcionamento – quando estava em operação, a Fepasa ainda usava telégrafo para se comunicar entre as estações.

Nesse ritmo, dificilmente haverá o trem tão sonhado. Mas que ninguém se espante se, nas próximas eleições, alguém prometer instalar bases de foguetes, trem bala (esse não vale, já prometeram) e até teletransporte. Vender sonhos é uma especialidade e tanto.




Comentários
})(jQuery)