HomeGeralEconomiaAinda cara, Brasil tem gasolina com preços menores que 93 países

Ainda cara, Brasil tem gasolina com preços menores que 93 países

A Petrobrás mudou o preço da gasolina 245 vezes em 14 meses, muitas destas vezes reajustando o valor. Apesar disso, a gasolina no Brasil está longe de ser a mais cara do mundo. Segundo a consultoria GlobalPetrolPrices, o Brasil está na 94ª posição no ranking que compara os preços em 165 países.

No entanto, ao analisar o poder de compra dos cidadãos desses países, encher o tanque com 40 litros de gasolina pesa mais no bolso dos brasileiros, consumindo 8,1% do salário médio no país. Para os noruegueses, um tanque cheio representa apenas 1,6% do salário.

No topo da lista, estão Hong Kong, Islândia e Noruega, onde o litro do combustível custa mais de R$ 8. Já o México (95º, a R$ 4,41), Paraguai (96º, a R$ 4,40) e Austrália (97º, a R$ 4,38) possuem gasolina ligeiramente mais barata que a brasileira. A gasolina mais barata do mundo está na Venezuela (R$ 0,03 por litro), seguida pelo Irã (R$ 1,18).
O preço da gasolina nas refinarias brasileiras atingiu novo pico no dia 13 deste mês, quando a Petrobras reajustou novamente o combustível para R$ 2,23 por litro.

Em um ano, o combustível acumula alta de 46% nas refinarias. Entretanto, para o consumidor o reajuste foi menor, de 18% no mesmo período, por causa da base de cálculo diferente.

 

Leia também: Clube Floresta agoniza. Circolo Italiano expulso da sede

 

O pico de preço para o consumidor foi registrado logo após a greve dos caminhoneiros, no início de maio, quando o litro alcançou R$ 4,61, em média, no país. Desde então, os preços recuaram 3,5%.

Mesmo assim, a Petrobras anunciou no dia 6 deste mês mudanças em sua política de preços para o combustível.
A companhia continuará acompanhando as cotações internacionais e as variações do dólar, mas os repasses acontecerão em períodos maiores, de até 15 dias, quando a empresa entender que o mercado está sendo pressionado por razões externas, como desastres naturais ou choques cambiais.




Comentários
})(jQuery)