HomeJundiaíJulho Amarelo busca diminuir os índices de Hepatites Virais

Julho Amarelo busca diminuir os índices de Hepatites Virais

Uma pesquisa feita pela Organização Mundial da Saúde (OMS) considera as hepatites virais como um dos principais problemas de saúde pública da atualidade e estabelece meta para sua eliminação até 2030. Desde 2011 a estimativa global de mortes por hepatites virais é maior que por tuberculose, malária e HIV. No Brasil a estimativa de pessoas que vivem com hepatite C é de 1,4 milhão a 1,7 milhão, sendo uma importante causa de cirrose e câncer de fígado. No Estado de São Paulo, as notificações de 2007 a 2016, contabilizam 82.084 casos de hepatite C.

Em Jundiaí, de 2007 a maio de 2018 foram notificados, em residentes no município, 292 casos de hepatite B (177 homens e 115 mulheres) e 676 casos de hepatite C (452 homens e 224 mulheres). Além disso, foram notificados 28 casos de coinfecção por hepatite B e C (17 homens e 11 mulheres). A faixa etária que acumula maior número de notificações é entre 30 a 69 anos.

Jundiaí conta com oferta de tratamento gratuito no Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) e Ambulatório de Moléstia Infecciosa (AMI) durante o ano todo, inclusive com alto índice de cura, de 93% para hepatite C crônica.

No AMI, que atende Jundiaí e região, 111 pacientes com hepatite B crônica fazem seguimento medicamentoso e 260 pacientes de hepatite C crônica realizaram tratamento com as novas medicações disponibilizadas pelo Ministério da Saúde. Entre estes, 242 já apresentaram cura confirmada.

“A melhor forma de prevenir a hepatite B é tomar as três doses da vacina disponibilizada gratuitamente nas Unidades Básicas de Saúde. Até o momento, não existe vacina para hepatite C”, explica a psicóloga do CTA, Milena Luchesi de Souza. 

Julho Amarelo

Pensando em diminuir os índices, a Prefeitura de Jundiaí vai promover a Campanha Julho Amarelo de Luta contra as Hepatites Virais, nos dias 23 a 31. Neste mês dedicado à conscientização, será oferecido exame rápido em todas as UBSs, conforme horários disponibilizados em cada unidade e no CTA (das 7h às 17h).

A população-alvo da Campanha é formada por pessoas que passaram por transfusão sanguínea e/ou fizeram procedimentos dentários, cirurgias ou injeções antes de 1993, além de pessoas classificadas com o vulneráveis como as que realizaram tatuagens e piercings, parceiros sexuais e domiciliares de pessoas com hepatite B e C, usuários de drogas, pessoas privadas de liberdade, com doença renal crônica ou em diálise e trabalhadores da área de saúde.




Comentários
})(jQuery)