HomeGeralCiesp contesta, mas explicações são do tipo Rolando Lero

Ciesp contesta, mas explicações são do tipo Rolando Lero

Na edição passada, o Novo Dia publicou um alerta: quase 17 mil postos de trabalho da indústria foram fechados nos últimos cinco anos. Os dados são do Caged (Cadastro Geral dos Empregados e Desempregados), do Ministério do Trabalho, e foram compilados pelo economista Gildo Canteli.

Um número tão alto motivou questionamentos ao Ciesp de Jundiaí. Treze perguntas foram enviadas à assessoria de imprensa, e respondidas seguindo a fórmula Rolando Lero. Nada explicado. Tudo em evasivas.

Sobre a diminuição de postos de trabalho, o Ciesp afirmou: “Estamos vivendo um novo tempo com as transformações anunciadas pela 4ª Revolução Industrial ou Indústria 4.0. Diante deste novo desafio, o CIESP, por meio das escolas Sesi SP e Senai SP está buscando orientar as indústrias a se adaptar a esta realidade”.

Sobre o número de indústrias que deixaram a cidade e as que chegaram, o Ciesp confessou não ter informações. Afirmou que quem tem esses dados é a Prefeitura. Algo preocupante. Sobre os acidentes de trabalho que poderiam estar ocorrendo na indústria, o problema também não é do Ciesp – mandou que o Novo Dia se informasse com o Cerest.

As novas tendências também foram questionadas. A resposta foi: “Jundiaí tem boas perspectivas de crescimento, tanto industrial, quanto comercial e dessa forma cresce também a geração de empregos, gerando um espiral de crescimento positivo que faz com que toda a região se desenvolva e distribua a renda”.

Leia também: Novo Dia vai sortear cafeteira. Para homens

Sobre o que o Ciesp faz pela cidade, a resposta foi: “E diante deste cenário, a regional de Jundiaí do CIESP promove fóruns, palestras, debate, oferecendo, gratuitamente, a oportunidade não somente para associados, mas para a comunidade em geral informações atuais sobre os mais diversos assuntos”.

Ante tais afirmações, tem-se a impressão que o Ciesp de Jundiaí está alheio às transformações. Afirmar não saber o número de indústrias que saem da cidade e das que chegam, ignorar os acidentes de trabalho e promover fóruns é algo mais preocupante ainda. Em tempo: os gráficos enviados são bonitinhos.




Comentários
})(jQuery)