HomeArte & LazerChineses desembarcam em Franco e treinam em pista de skate

Chineses desembarcam em Franco e treinam em pista de skate

A conhecida pista de skate de Franco da Rocha, dentro do Parque Benedito Bueno de Morais, recebeu na última segunda-feira (21) cinco skatistas chineses, que desembarcaram no município com o objetivo de conhecer a pista do local, treinar e saber um pouco mais sobre essa modalidade que há anos faz sucesso no Brasil e tem sido novidade na China.

Os chineses, que moram próximo a Xangai, ficarão 25 dias no país e vão conhecer outras pistas, como por exemplo, a de um campeão mundial em Florianópolis, mas voltarão para Franco da Rocha em mais duas oportunidades antes de retornar à China, com a meta de aperfeiçoar cada manobra.

Um dos professores responsáveis por treinar a equipe chinesa, Thiago Garcia, que tem 28 anos na modalidade, é atleta profissional e juiz da Confederação Brasileira de Skate, comentou o trabalho que está acontecendo. “Estamos na pista de Franco da Rocha com um time de skatistas da China, para que eles conheçam mais, pois estão querendo uma vivência de skate, adquirir experiência, até pelo fato de ser uma modalidade nova no país deles”, afirma.

Thiago também falou sobre a escolha da pista. “Antes de tudo isso houve outras visitas em pistas há uns quatro meses para ver quais eles queriam vir, treinar, e a de Franco foi uma das melhores, a que eles mais gostaram”, continua.

O professor dos chineses explicou os motivos que tornam a pista de Franco uma das mais atualizadas para a prática do esporte. Segundo o profissional, ela tem um desenho moderno mais parecida com uma praça, não sendo iguais as pistas mais antigas.

Outro professor, Damon Michellepis, que estava ensinando um dos alunos chineses no bowl, tem 30 anos na profissão e também falou sobre a pista. “É muito bacana e escolhemos ela entre cinco a seis pistas do estado. É muito boa, tem bastante espaço, a área do street é muito legal, o Bowl foi muito bem-feito. Estou contente de poder ver essas pistas sendo construídas”.

A dedicação dos atletas fez parte da análise de Damon. “Apesar de o brasileiro ter um feeling para skate, os chineses também têm. Antes tinha a sensação de que eles seriam bem quadradinhos para a modalidade, mas não. Apenas de ser culturas diferentes, ela se encaixa no esporte. Ensinar é uma tarefa que não é tão fácil por questão da língua, mas no treinamento está bem bacana. A pista está colaborando e os alunos já estão evoluindo bastante”, finalizou.




Comentários
})(jQuery)