HomeGeralEconomiaComércio pode abrir 20 mil novos estabelecimentos este ano

Comércio pode abrir 20 mil novos estabelecimentos este ano

Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo projeta abertura líquida de 20,7 mil novos comércios até o fim do ano e volume de vendas 5,1% maior em relação a 2017

Após três anos de queda, a geração de empregos no Brasil pode apresentar resultados positivos em 2018, conforme mostra levantamento feito pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). No ano passado, o saldo no País entre aberturas e fechamentos de comércios ficou negativo em 19,3 mil unidades. No entanto, o encerramento de estabelecimentos foi 82% menor em relação a 2016, quando o setor eliminou 105,3 mil pontos de venda.

Ainda assim, a CNC projeta abertura líquida de 20,7 mil novos estabelecimentos comerciais até o fim de 2018, considerando a defasagem entre o crescimento contínuo das vendas e a natural contrapartida na abertura de novos pontos de vendas do varejo nacional. No volume de vendas do setor, a entidade projeta crescimento de 5,1%.

Segundo o presidente do Sincomercio Jundiaí e Região, o cenário de otimismo apontado pelo setor industrial e que deve resultar em novas contratações em 2018 está em plena consonância com os números apurados pela FecomercioSP no setor comercial. “Para a Região de Jundiaí, a tendência também é de aceleração na abertura de vagas com carteira assinada. Em 2017, o varejo da região gerou 749 novas vagas, interrompendo dois anos consecutivos de desempenhos negativos em que cerca de 2.700 postos de trabalho foram eliminados em 2015 e 2016. Para este ano, espera-se que entre 1 mil e 1,5 mil empregos celetistas sejam criados. Esta recuperação do mercado de trabalho, ainda que inicial, mostra como uma conjuntura econômica de juros e inflação em queda permitiram o aumento do consumo das famílias, que se traduziu em maiores receitas de vendas e, consequentemente, contratação de mão e obra”, afirma Edison Maltoni, presidente do Sincomercio Jundiaí e Região.




Comentários