HomeGeralEconomiaÍndice que apura intenção de consumo registra alta de 4,2%

Índice que apura intenção de consumo registra alta de 4,2%

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF) alcançou 87,1 pontos em fevereiro de 2018, o que corresponde a um aumento de 4,22% em relação a janeiro deste ano. O índice é apurado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e mostra que, na comparação com o mesmo período de 2017, a alta foi de 13%. No entanto, o resultado abaixo de 100 pontos ainda representa uma recuperação lenta do otimismo das famílias.

Para Edison Maltoni, presidente do Sincomercio Jundiaí e Região, a melhora no índice é sinal de avanço na economia, aliada à trajetória favorável da inflação e queda na taxa de juros. “Esses fatores refletem positivamente na confiança das famílias em relação ao consumo”, avalia.

 De acordo com a CNC, três indicadores relevantes ligados ao consumo apresentaram alta, tanto na comparação mensal como na anual. O Nível de Consumo Atual registrou aumento de 4,8% em relação a janeiro e 19,9% na comparação anual. O componente momento para Duráveis apresentou elevação de 5,8% no comparativo mensal e 23,5% em relação a 2017. Outro indicador que registrou alta foi Perspectiva de Consumo: aumento de 3,6% em relação ao mês passado e 25,7% na comparação com o mesmo período de 2017.

O levantamento mostra ainda que o subíndice Renda Atual alcançou 99,8 pontos e o componente Acesso ao Crédito teve aumento de 3,6% na comparação mensal e 16,8% em relação a fevereiro de 2017.

Apesar da melhora de todos os subíndices, a maior parte das famílias, 54,1%, declarou estar com o nível de consumo menor do que no ano passado.

A Confederação Nacional do Comércio (CNC) projeta um crescimento de 5% no desempenho das vendas do varejo ampliado em 2018, baseada na melhora recente das vendas em relação ao ano anterior. Esse cenário é embasado na percepção de continuidade de menor pressão de preços no curto prazo, além de uma expectativa de recuo no custo do crédito e recuperação do emprego e da renda ao longo do ano.




Comentários