HomeGeralQuase pronto, Viaduto das Valquírias é primor de engenharia

Quase pronto, Viaduto das Valquírias é primor de engenharia

Com 400 metros de extensão, viaduto chama atenção pela forma como está sendo construído sobre a Anhanguera

O Viaduto das Valquírias (por ora a denominação é esta) está quase pronto, apesar do contrato estabelecer como prazo final julho deste ano. E desde que a construção foi iniciada, chamou a atenção pela forma – começou nos dois lados, simultaneamente, para se encontrar sobre o centro da Via Anahnguera. Um vão livre de 90 metros.

Os números impressionam. Terá 400 metros de extensão, com duas faixas de rolamento (mão dupla) e uma ciclovia. Até quarta-feira o viaduto já tinha recebido 17.292.500 quilos de concreto (6.917 metros cúbicos) e 1.268.739 quilos de aço.

Leia também: Caixa de esgoto na avenida Nove de Julho recebe reparo

Para colocá-lo em pé, foram e estão sendo usadas quatro técnicas de construção. A primeira é chamada Encontro Estruturado – estrutura composta por vigas transversinas apoiadas em paredes estruturadas nas lateriais. As lajes pré-moldadas são apoiadas nas vigas transversinas para concretagem da laje.

A segunda é de Vigas pré-moldadas protendidas (dois vãos). Elas foram feitas em berços, no solo, e depois lançadas com guindastes até seus apoios finais. São vigas de 70 toneladas. Apoia-se nas lajes pré-moldadas sobre as vigas para posterior concretagem da laje.

A terceira, o Caixão perdido em Balanço Sucessivo – Aplicado na maior parte do viaduto, esta solução estrutural é utilizada quando se deseja transpor grandes vãos sem o uso de cimbramento e sem interferência ao tráfego da rodovia.

A estrutura do viaduto é construída sem nenhum tipo de escoramento, apenas com o uso de treliças metálicas, que possibilitam o avanço da concretagem. O equilíbrio é feito a partir da utilização das treliças, presas a cabos ancorados aos pilares provisórios e também da própria estrutura tensionada (aduelas), equivalente a um segmento da laje.

Com o término de cada aduela ou segmento, as treliças avançam e uma nova etapa é feita, sucessivamente. O trabalho acontece de forma simultânea em cada pilar – e na mesma proporção e tempo – até que as aduelas se juntem e formem o viaduto, sem a utilização de escoramentos. Todo o Balanço é protendido no final para manutenção da rigidez de todo o conjuntoA quarta, Caixão perdido sobre cimbramento – Duas metades de vãos em caixão perdido sobre cimbramento nos locais possíveis, em virtude da ausência de interferências de vias.

Pelo andar da carruagem – ou da concretagem – o viaduto tem tudo para ficar pronto antes do prazo.




Comentários
})(jQuery)