HomeGeralSaúde & Bem EstarProcura exagerada por vacinas contra a febre amarela obriga prefeituras a impor restrições

Procura exagerada por vacinas contra a febre amarela obriga prefeituras a impor restrições

O medo da febre amarela é evidente mesmo em cidades onde o risco é considerado mínimo. E isso não impede que verdadeiras multidões procurem postos públicos de vacinação. Em muitos casos, prefeituras detectaram que estavam vacinando pessoas de outras cidades – como a fila é grande em algumas, há quem procure as próximas. Agora, a maioria está exigindo comprovante de residência – só toma vacina quem morar na cidade.

Jarinu, por exemplo, descobriu que 80% das pessoas vacinadas não eram de lá. No sábado (20), a Vigilância de Saúde fez campanha e vacinou 1.100 pessoas – e descobriu que 850 eram da Capital. Agora, para tomar vacina, só provando que mora em Jarinu.

Jundiaí também está exigindo comprovante de residência. Segundo a Secretaria de Saúde, foram vacinados 95% da população – meta foi atingida. Só que a vacinação em Jundiaí começou em abril do ano passado. Agora o esquema está mudado – agora a oferta será de 50 doses por UBS, uma vez por semana, e só com comprovante que mora na cidade.

Leia também: O que é a febre amarela

Caieiras também descobriu que tinha gente de fora tomando vacina e suspendeu a vacinação na estação ferroviária. Desde segunda passada, vacina só nas UBSs Laranjeiras, do Jardim Vera Tereza e no Cias. E mais: tem de apresentar documento com foto e provar que mora lá. Cajamar está na mesma toada, desde que viu seus postos de vacinação superlotados. Maioria era de gente da Capital.

Campo Limpo Paulista também exige documento e comprovante de residência. São 50 doses diárias em cada UBS, menos na Vila Marieta e São José II. Mas há uma espécie de calendário por posto de vacinação. Várzea havia imunizado 91,52% da população até o começo desta semana. Vacinação continua nas UBSs, com 50 doses diárias.

Desde sexta passada (19), Franco da Rocha também exige comprovante. Já vacinou 120 mil pessoas, segundo a Secretaria de Saúde. A vacina está disponível nas UBSs, e não há registro de morte em humanos. Indaiatuba não registra casos, nem em humanos nem em macacos, e mesmo assim intensificou a vacinação. Desde abril do ano passado estima-se que 70% da população tenha sido imunizada.

Agora, para tomar vacina, o interessado precisa marcar horário na UBS. Itu abriu mais dois postos de vacinação desde segunda-feira (22). Agora são 200 doses diárias no Centro de Vigilância em Saúde para quem viaja para áreas de risco, e outras 200 doses no Centro Administrativo do Pirapitingui para moradores da região. Há também a vacinação na zona rural, sítio por sítio.

Itupeva já aplicou 40 mil doses de vacina desde o ano passado até sexta (19). Agora só vacina quem comprovar morar na cidade. Mas é preciso observar o calendário das unidades de saúde. Valinhos vacina seus moradores desde outubro do ano passado. Até agora foram 38 mil pessoas. A vacina está disponível nas UBSs.

Vinhedo não tem casos suspeitos. Desde segunda (22) exige carteira de vacinação e comprovante de endereço dos interessados. A cidade tem 75 mil habitantes, segundo o IBGE – 83.299 pessoas vacinadas até dezembro do ano passado. Ou seja, vacinou gente de fora também.

Itatiba tem vacina em todos os postos de saúde. Cabreúva continua com campanha até o fim do mês, e para tomar a vacina é preciso apresentar o cartão do SUS, além do comprovante de endereço. E pra quem pretendia passear na Capital no fim de semana fica avisado: Zoológico, Zoo Safari e Jardim Botânico estão fechados por causa da febre.




Comentários