HomeArticulistasGaldino MesquitaMinistra, há milhares de escravos por ai

Ministra, há milhares de escravos por ai

Para alguns, este assunto já deu, foi uma gafe. Mas para os 40 milhões de brasileiros que ganham R$ 937,00 por mês, não. Nem para outro milhão de refugiados e imigrantes escravizados no Brasil. Não, ministra Luislinda Valois, dos Direitos Humanos, para os miseráveis o seu pedido de 61 salários mínimos é um deboche. No dia de Finados, sua excelência queria porque queria receber o dobro do que ganha (passar de R$ 33,7 mil para R$ 61,4 mil mensais) alegando que está numa condição de “escrava”. Piada, excelência? Ou brincadeira de mau gosto?

Luislinda Valois, ministra dos Direitos Humanos, apresentou ao Temer um pedido para acumular salários e receber brutos R$ 61,4 mil. Em 207 páginas, ela reclamou do teto constitucional, que só pode receber R$ 33,7 mil do salário de ministra. No documento, diz que essa situação, “sem sombra de dúvidas, se assemelha ao trabalho escravo, o que também é rejeitado, peremptoriamente, pela legislação brasileira desde os idos de 1888 com a Lei da Abolição da Escravatura”. Madame, 207 páginas lhe devem ter tomado seu tempo em semanas ou meses para escreve-las. Defender os direitos humanos no país? Não, ministra, não deve ter lhe sobrado tempo.

O assunto não é pra ser engavetado – como muitos outros em Brasília – porque um em cada quatro dos economicamente ativos deste Brasil vive como “escravo”. Sabia disso, Excelência? Como seu governo autoriza um salário de R$ 937 para um ser humano pagar aluguel, alimentação, roupas e remédios para a família (com 2, 3, 4 filhos)? O seu ministério dos Direitos Humanos deveria ver isso. Que direito humano é este que seu cargo deve cuidar e promover, se não oferecer um salário que, pelo menos, o trabalhador consiga pagar comida e remédio? Mesmo que ele e família morem num barraco, porque o aluguel está custando os olhos da cara.

Já foi decretado pelo seu presidente Michel Temer o salário mínimo de 2018, valendo a partir do dia 1º do ano, para 40 milhões trabalhadores e que terá um aumento de 6,47%.O empregado registrado passará a receber um aumento de R$ 17,00. Foi de R$ 937,00 para R$ 954,00. Que aumento, digna digníssima ministra. Não dá pra comprar uma pizza.. E sua excelência disse que o seu deveria ser de R$ 61,4 mil? Poderia nos explicar como será o ano daqueles com carteira assinada, que receberão o mínimo? E dos verdadeiros escravos (haitianos, bolivianos, coreanos, crianças, sertanejos, biscateiros etc.) que ganham menos, bem menos que este miserável soldo?

Sua excelência declarou que precisa ganhar mais porque o cargo que ocupa lhe impõe custos como se “vestir com dignidade” e “usar maquiagem”. O Código Penal define trabalho análogo ao de escravo o que submete a pessoa a condições degradantes, jornada exaustiva, trabalho forçado, cerceamento de locomoção e servidão por dívida. Mas como ministra, Luislinda tem direito a carro com motorista, jatinhos da FAB, cartão corporativo, imóvel funcional e salário de R$ 33,7 mil, fora uma dezena de “aspones” pagos com nosso dinheiro para servi-la.

Haitianos: num frigorífico em Cascavel (PR), 380 imigrantes haitianos desossam frangos e penduram galinhas. Pelo salário mínimo de R$ 1 mil, suportam oito horas diárias sob um frio de nove graus, temperatura abaixo do limite de 12 graus (lei internacional e do Ministério do Trabalho). A PUC-MG divulgou estudo que há cerca de 50 mil haitianos no país. Junto a senegaleses, nigerianos, bengaleses, bolivianos, coreanos, sírios etc. chegam a um milhão os novos escravos no Brasil. Fora os milhares que estão fugindo da fome e da repressão bolivariana da falida Venezuela chavista, e que, hoje estão entrando no Brasil a troco de um prato de comida.

Pessoas forçadas ao trabalho escravo em todo o mundo chegam a 27 milhões, de acordo com relatório publicado pela organização internacional de Direitos Humanos Anti-Slavery International. No Brasil, ministra Luislinda, temos um milhão destes seres. Então, pare de pedir bobagens e de “mimimi” e dê uma olhada, uma ajuda pra estes desvalidos da neoescravidão no país. É caso de urgência, de Direitos Humanos de verdade e que nós brasileiros estamos lhe pagando pra fazer isto.




Comentários