HomeArticulistasBeatriz DiasUm devaneio leva ao outro

Quais sãos os medos que você alimenta durante a noite? Você se preocupa em faze-los desaparecer?

As angústias, as magoas, os pesadelos, as coisas mais impossíveis, surgem em nossas mentes para nos fazer molhar a fronha do travesseiro mais uma vez com as nossas lágrimas. De fato o medo sufoca, muito mais do que qualquer mergulho demorado no fundo da piscina.

Medo de ser quem você é, medo de decepcionar, medo de não ser suficiente, de nada dar certo, de tudo dar certo, de ser melhor, da sair da caixa, de explorar, de implorar. Tudo fica turvo, o coração dispara, as mãos transpiram. Surto.

O excesso de futuro nos acelera, causa ânsia, o excesso de passado nos retrocede, faz com que fiquemos perdidos em nossas próprias mentes. Há uma linha tênue entre planejamento e ansiedade, saudade e depressão, mora perto demais a certeza de que somos todos iguais e longe vive a empatia de reconhecer isso.

Nossos medos são iguais, meu caro, é mais fácil de compreender do que parece.

Por Beatriz Dias

Comentários