HomeGeralBrasilDeputado quer o fim da taxa de exame toxicológico para motoristas profissionais desempregados

Deputado quer o fim da taxa de exame toxicológico para motoristas profissionais desempregados

A moção de número 77/17, apresentada por Junior Aprillanti na Assembleia Legislativa, deve ser encaminhada ao presidente da República nos próximos dias

A Comissão de Transportes e Comunicações da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo aprovou, recentemente, a Moção de número 77/17, de autoria do deputado estadual Junior Aprillanti, vice-líder do PSB, que tem como objetivo apelar ao presidente da República para que faça a extinção da taxa de exames toxicológicos para motoristas profissionais desempregados.

Segundo o autor da proposta, deputado Junior Aprillanti, essa medida tem como objetivo facilitar a vida dos profissionais que precisam de uma carteira de habitação para trabalhar e, desta forma, garantir o sustento de suas famílias.

“Muitos motoristas precisam da carteira de habilitação profissional para garantir uma vaga de emprego. Imagine a situação de quem está desempregado, sem dinheiro para pagar a taxa referente ao exame toxicológico, que custa aproximadamente R$ 300,00 (trezentos reais), e precisa deste documento para o exercício de sua profissão. Diante deste quadro, apresentei uma Moção endereçada ao presidente da República com o objetivo de que a exigência deste emolumento seja revista”, afirmou o deputado Junior Aprillanti.

Junior Aprillanti fez questão de ressaltar que é favorável a obrigatoriedade da realização de exame toxicológico nos motoristas, mas que a cobrança desta taxa está prejudicando muitas famílias dos profissionais que sobrevivem dá área de transporte.

“Atualmente, precisamos facilitar a geração de empregos. Desta forma, acredito que a extinção desta taxa poderá contribuir para que os motoristas profissionais enfrentem menos resistência no mercado de trabalho”, finalizou Junior Aprillanti.

Agora, o documento aprovado pela Assembleia Legislativa será enviado para apreciação do presidente da República.

Comentários
})(jQuery)